Comparsas do miliciano Adriano da Nóbrega recorreram a Jair Bolsonaro, diz The Intercept

Ligações perigosas apontam para relações estreitas entre comparsas do miliciano Adriano da Nóbrega e o Presidente da República, a matéria intitulada o "O cara da casa de vidro" traz dados que levantam suspeitas sobre Jair Bolsonaro.   O Intercept já havia reportado sobre as escutas em fevereiro, quando mostramos como Adriano dizia que “se fodia” por ser amigo do presidente da República, e em março, quando detalhamos a briga pelo espólio deixado pelo ex-caveira. As referências a “Jair” e “cara da casa de vidro” constam em novos documentos recebidos pela reportagem, que, em conjunto com as escutas anteriores, permitem entender a amplitude das relações do miliciano e da rede que lhe deu apoio no período em que passou foragido. Adriano da Nóbrega fugia da justiça desde janeiro de 2019, quando o Ministério Público do Rio pediu a sua prisão, acusando-o de chefiar a milícia Escritório do Crime, especializada em assassinatos por encomenda. Ex-integrante da elite do batalhão de elite

Reinaldo

STF manda soltar bicheiros no Rio @Reinaldo_Cruz @QB_7 @dribles_ @Assuntosdegoias @QB_7 @Aparecida_

O STF (Supremo Tribunal Federal) mandou soltar Aílton Guimarães Jorge, conhecido como Capitão Guimarães; Aniz Abrahão David, conhecido como Anísio da Beija-Flor; e Antônio Petrus Kalil, o Turcão. Eles são apontados como chefes de uma organização criminosa de exploração de jogos ilegais no Rio.
O habeas corpus foi concedido pelo ministro Marco Aurélio, que apontou que o decreto de prisão não estava devidamente fundamentado. Também foram beneficiados pela decisão Júlio Guimarães, que seria responsável pela administração de escritórios da quadrilha, e outros 16 condenados.
Os beneficiados pela ordem de soltura foram condenados por envolvimento com a máfia do jogo no Rio e foram presos em 13 de março. Durante o processo, todos os condenados negaram as acusações.
Ailton Guimarães Jorge, Antonio Petrus Kalil e Aniz Abraão David foram condenados a 48 anos de reclusão. Júlio César Sobreira, sobrinho do Capitão Guimarães, foi condenado a 18 anos. Os demais envolvidos no esquema foram condenados a penas que variam de 40 a 2 anos de reclusão.

Fonte: Folha de S. Paulo

Comentários

Questão