Carlos Marun: ‘Marcelo Bretas é um aprendiz de Mussolini’

Com fim do monopólio do Grupo Globo, Brasileirão 2019 ficará sem metade dos jogos na TV fechada

Divisão entre SporTV e Esporte Interativo deixará 182 jogos "sem dono"
Resultado de imagem para turner x globo

Caso o cenário se mantenha, clássicos como Corinthians x Palmeiras e Grêmio x Internacional teriam visibilidade restrita. No caso do Palmeiras, a situação é pior: o time ainda não acertou um contrato com a Globo, o que, neste momento, deixa a equipe fora também da TV aberta e do pay-per-view. Atlético Paranaense e Bahia encontram-se na mesma situação do rival de São Paulo. Assim, pelo menos 66 partidas não teriam transmissão nenhuma para a televisão. 
A situação ainda pode mudar nos próximos meses. Desde que a Turner anunciou a extinção do Esporte Interativo como canal pago, alguns clubes têm demonstrado insatisfação, já que a exposição das equipes ficaria reduzida. Em 2019, as partidas do Brasileirão deverão ser exibidas por TNT ou Space na televisão fechada.
Nas últimas semanas, Santos, Internacional e Bahia falaram publicamente sobre a possibilidade de rompimento com o parceiro. Além da questão da exposição, a diferença entre os ganhos dos times e o ganho do Palmeiras tem incomodado.

Mantido o grupo de times, o Esporte Interativo terá mais partidas do que rodadas no Brasileirão, ainda que a montagem do calendário da competição não deva levar isso em consideração. E com a permanência do Ceará e a subida do Fortaleza, o canal ganhou mais um clássico regional, assim como já terá com Santos x Palmeiras.

O SporTV conseguiu manter-se forte. Dos quatro times que subiram, três têm contrato com a emissora: Avaí, CSA e Goiás. 


Além disso, o canal viu times com grande audiência se segurarem na principal divisão. Foi o caso de Corinthians e Vasco, que se salvaram na Série A mesmo após temporada esportivamente muito ruim.





Rodolfo Gomes explica como a Globo perdeu força na Conmebol e terá menos jogos transmitidos ao longo da Libertadores.

Análise baseada na matéria do UOL, assinada por Leandro Carneiro, Luiza Oliveira e Pedro Ivo Almeida.
Com fim do monopólio do Grupo Globo, Brasileirão 2019 ficará sem metade dos jogos na TV fechada

Comentários