Estados articulam ofensiva para barrar proposta de parcelamento de precatórios

A perda de prestígio e credibilidade do governo leva o ministério da economia a tentar manobra para não repassar de uma vez os precatórios aos estados, e assim evitar que opositores tenham acesso a verba às vésperas do ano eleitoral. Jair Bolsonaro segue sua ofensiva contra a Democracia, instituições e o sistema de votação, ao tempo em que tenta asfixiar financeiramente possíveis adversários no pleito de 2022. A matéria do Estadão retrata este cenário: Os Estados se mobilizam numa ofensiva no Congresso para evitar o parcelamento dos precatórios devidos pela União, medida defendida pela equipe econômica para garantir a ampliação do programa Bolsa Família no ano que vem. Dos R$ 89 bilhões em dívidas judiciais previstos para o Orçamento de 2022, pelo menos R$ 16,6 bilhões têm governos estaduais como credores. Para os Estados, a PEC dos precatórios e o projeto que altera o Imposto de Renda são duas frentes lançadas pelo governo federal que fragilizam as contas dos governos regionais, com p

Reinaldo

Depois do relatório do COAF que cita família Bolsonaro, a biografia de Sérgio Moro corre risco real de ir para o lixo

Onyx Lorenzoni, futuro chefe da Casa Civil no governo Bolsonaro, se irritou com uma pergunta sobre de onde vinha vinha o R$1,2 mi do segurança do senador eleito Flávio Bolsonaro, investigado pela Coaf. Exaltado, Lorenzoni questionou o salário de um repórter e abandonou a coletiva de imprensa, que aconteceu durante evento do Lide.
Sérgio Moro comandará órgão que descobriu repasse para Michelle Bolsonaro. Vai valer a Lei Onyx? 
Relatório do Coaf cita mulher de Bolsonaro como beneficiária de dinheiro suspeito. Flávio Bolsonaro empregou em seu gabinete família de ex-assessor citado pelo Coaf.

Comentários

Questão