Depois do relatório do COAF que cita família Bolsonaro, a biografia de Sérgio Moro corre risco real de ir para o lixo

Onyx Lorenzoni, futuro chefe da Casa Civil no governo Bolsonaro, se irritou com uma pergunta sobre de onde vinha vinha o R$1,2 mi do segurança do senador eleito Flávio Bolsonaro, investigado pela Coaf. Exaltado, Lorenzoni questionou o salário de um repórter e abandonou a coletiva de imprensa, que aconteceu durante evento do Lide.
Sérgio Moro comandará órgão que descobriu repasse para Michelle Bolsonaro. Vai valer a Lei Onyx? 
Relatório do Coaf cita mulher de Bolsonaro como beneficiária de dinheiro suspeito. Flávio Bolsonaro empregou em seu gabinete família de ex-assessor citado pelo Coaf.