O ator e humorista Batoré morre em São Paulo

O ator e humorista Ivanildo Gomes Nogueira, de 61 anos, conhecido como Batoré, morreu nesta segunda-feira (10), em São Paulo. Ele estava com câncer. Batoré morreu na Unidade de Pronto Atendimento (UPA) de Pirituba, Zona Norte da capital. "As informações médicas foram repassadas à família e a Secretaria Municipal de Saúde lamenta o ocorrido", diz nota da Prefeitura. Ivanildo nasceu em Serra Talhada, em Pernambuco, e se mudou para São Paulo ainda criança. Antes de se tornar ator, jogou futebol nas categorias de base em times paulistas. Com seu principal personagem, Batoré, Ivanildo integrou o elenco do programa " A Praça é Nossa ", do SBT. Em 2016, foi contratado pela Rede Globo para a novela "Velho Chico" em que fez o papel do delegado Queiroz. Batoré também foi vereador de Mauá, na Grande São Paulo, por dois mandatos pelo PP. Fonte: Batoré, ator e humorista, morre em SP | São Paulo | G1

Reinaldo

Chegar ao segundo turno é o objetivo do PSDB, define Geraldo Alkimin

O PSDB vive dilemas parecidos em Goiás e na esfera nacional, parecidos porque os nomes escolhidos ou impostos aos militantes e a base de apoio como sendo competitivos na próxima eleição, parece não agradar nem os mais otimistas do próprio partido. Se em Goiás o nome de Zé Eliton é visto como uma escolha pessoal do governador Marconi Perillo, no âmbito nacional os caciques da legenda urgiram ao posto o Governador de São Paulo, após derrocada de Aécio Neves que provocou rachaduras dentro do ninho, mas desde a convenção do partido em Dezembro, Geraldo Alkimin não conseguiu dirimir as dúvidas sobre onde ele pode chegar no próximo pleito ao Planalto e essa inércia do grupo do governador de São Paulo leva tucanos a colocar o nome de João Doria como sendo de alguém mais competitivo, em ascensão capaz de levar o PSDB ao triunfo nas próximas eleições. 

Para ter apoios importantes, principalmente em São Paulo, Geraldo Alkimin estuda abrir mão da cabeça de chapa em favor do seu vice, Márcio França, e assim garantir o apoio do PSB. Abrir mão de disputar o Governo de São Paulo não agrada a cúpula paulista do partido, afinal de contas o PSDB governa o estado a mais ou menos 20 anos e sempre como liderança máxima. Quando o pré-candidato sinaliza que o desafio é chegar ao segundo turno, é sinal que a situação esta bem complicada em termos de competitividade, se observarmos que os futuros adversários tem um discurso mais firme, tipo: "Vamos vencer a eleição".
Em Goiás o desafio parece ser acomodar na chapa majoritária partidos que sempre apoiaram Marconi Perillo e esperam ser reconhecidos já na formação da chapa competitiva para a eleição deste ano.
Em conversa com deputados do PSDB na noite desta terça-feira, o governador de São Paulo e presidente nacional da legenda, Geraldo Alckmin, afirmou que o desafio do partido vai ser chegar ao segundo turno das eleições presidenciais. “Nós só temos uma tarefa, ir para o segundo turno”, afirmou. O governador disse que “as coisas estão caminhando”…
via ‘Nós só temos uma tarefa, ir para o 2º turno’, diz Alckmin — VEJA.com

Comentários

Questão