Estados articulam ofensiva para barrar proposta de parcelamento de precatórios

A perda de prestígio e credibilidade do governo leva o ministério da economia a tentar manobra para não repassar de uma vez os precatórios aos estados, e assim evitar que opositores tenham acesso a verba às vésperas do ano eleitoral. Jair Bolsonaro segue sua ofensiva contra a Democracia, instituições e o sistema de votação, ao tempo em que tenta asfixiar financeiramente possíveis adversários no pleito de 2022. A matéria do Estadão retrata este cenário: Os Estados se mobilizam numa ofensiva no Congresso para evitar o parcelamento dos precatórios devidos pela União, medida defendida pela equipe econômica para garantir a ampliação do programa Bolsa Família no ano que vem. Dos R$ 89 bilhões em dívidas judiciais previstos para o Orçamento de 2022, pelo menos R$ 16,6 bilhões têm governos estaduais como credores. Para os Estados, a PEC dos precatórios e o projeto que altera o Imposto de Renda são duas frentes lançadas pelo governo federal que fragilizam as contas dos governos regionais, com p

Reinaldo

Roma, Berlim e Londres estão perplexos e não poupam críticas a proibição de Trump a refugiados | Conexões com o Mundo

A juíza do Tribunal do Distrito Federal do Brooklyn, Ann Donnelly, suspendeu parcialmente na noite deste sábado (28) a proibição da entrada nos Estados Unidos de imigrantes vindos de sete países com maioria muçulmana.    Donnelly proibiu que os refugiados que já estavam em solo norte-americano fossem expulsos do país porque […]
trump
Merkel, Gentiloni, Johnson e Trudeau condenam atitude: A chanceler alemã, Angela Merkel, condenou a ordem executiva de Trump contra os imigrantes. 

Segundo seu porta-voz, Steffen Seibert, a medida “não é justificada” e a chanceler “está convicta que a tão necessária luta contra o terrorismo não justifica” uma lei do tipo “com base apenas na origem ou na crença”. 

 Merkel conversou por telefone com Trump neste sábado e, segundo o jornal “Bild”, na conversa de 45 minutos, os dois trocaram convites para visitas em cada país e reforçaram a importância das relações bilaterais. 

 O premier da Itália, Paolo Gentiloni, também se manifestou neste domingo (29) sobre a medida de Trump. “A Itália está ancorada em seus próprios valores. Sociedade aberta, com identidade plural, nenhuma discriminação. 

São os pilares da Europa”, escreveu.

Apesar da premier britânica, Theresa May, não se manifestar sobre a medida de Trump, o ministro das Relações Exteriores, Boris Johnson, condenou a ordem.

“Protegeremos os direitos e as liberdades dos cidadãos do Reino Unido em nossa pátria e no exterior. É divisivo e errado estigmatizar com base na nacionalidade”, escreveu em seu perfil no Twitter. 

 Já o primeiro-ministro do Canadá, Justin Trudeau, também usou as redes sociais para mostrar sua contrariedade à medida do presidente do país vizinho.

“Para quem foge das perseguições do terror e da guerra, saibam que os canadenses lhe darão as boas vindas, não importando qual seja a sua fé. A diversidade é a nossa força”, escreveu no Twitter. 
 Fonte: ANSA
 

Comentários

Questão