Prefeitura de Sorocaba indica "tratamento precoce", que infectologistas dizem ser ineficaz

O prefeito de Sorocaba ordenou a compra de R$ 57 mil em medicamentos que, segundo médicos infectologistas, não possuem eficácia contra a Covid-19. Esses medicamentos serão distribuídos nas UBS da cidade, informou o governo municipal. O prefeito Rodrigo Manga (Republicanos) usou uma portaria do Ministério da Saúde para justificar a compra.  A Sociedade Brasileira de Infectologia se pronunciou contra a recomendação de remédios para tratamento precoce pela ineficácia desses medicamentos e pela possibilidade de causarem efeitos colaterais.   Prefeitura de Sorocaba indica "tratamento precoce", que infectologistas dizem ser ineficaz / Twitter

Reinaldo

Vereadores saem no tapa na Câmara Municipal http://youtu.be/vSzqBqC6P-0 @Reinaldo_Cruz @Goianao2012

Aconteceu na Câmara Municipal de Itatinga (SP), cenas dantescas de uma sessão tumultuada e os vereadores acabaram se espancando no plenário.

A galeria estava lotada de pessoas que acompanhavam as votações que decidiriam por uma possível cassação do prefeito e um vereador da cidade.

A denúncia foi feita pelo vereador Júlio Fogaça e lida pela secretária, mas foi rejeitada por votação.

Uma segunda denúncia, desta vez contra o próprio vereador, foi feita por um morador da cidade, mas também não foi aceita pela maioria da Câmara.

O problema começou quando os parlamentares começaram a desenrolar suas falas no plenário.

Durante a fala do vereador Antônio dos Santos Barbosa, houve uma interrupção feita por Júlio Fogaça.

Os dois se empurraram. O vereador Marcos Feliciano tentou separar, mas também foi atingido.

Os dois vereadores que começaram a briga se agarraram e trocaram socos e só foram separados pelos policiais militares que acompanhavam a sessão.

As pessoas que assistiam invadiram o plenário e também foram contidas pela PM.

O vereador Júlio Fogaça afirmou que a discussão é normal dentro da Câmara.

Já o vereador Antônio disse que foi provocado pelo vereador da oposição e reagiu aos comentários do colega.

A polícia precisou de reforços. O efetivo, que geralmente trabalha com quatro homens, foi aumentado para dez policiais. Na saída, populares que acompanhavam a sessão ainda xingaram Júlio Fogaça, que precisou ser escoltado até o carro.

Com informações do G1 e da TV TEM



Comentários

Questão