Juliette não esperava repercussão mas se divertiu com o pedido de tradução do Pokemón da Nintendo

Juliette colocou um ponto final no mistério e divulgou em Live no Instagram nesta quinta-feira (3) as datas e as cidades que devem receber os primeiros cinco shows de sua turnê, 'Caminhos' . As cidades escolhidas são do Nordeste e Sudeste do país, e já acontecem ainda neste de março. O local escolhido para o primeiro show, aquele que marca a estréia dela nos palcos acontece na cidade em que reside, o Rio de Janeiro, no dia 26 deste mês. João Pessoa, capital do estado natal de Juliette, Paraíba, também faz parte da rota da turnê no início de abril. Vitória, no Espírito Santo, e Recife, também terão shows da cantora. Muito se perguntou nas redes sociais após a divulgação sobre Campina Grande, apesar de Juliette não ter falado sobre isso, acreditamos que a Pitica deve estar reservando a cidade e o Parque do Povo para realizar o sonho de cantar no maior São João do mundo em Junho. Nas redes sociais, a paraibana celebrou o novo desafio, e convidou os fãs a conhecerem este “novo cami

Reinaldo

Escolas do Rio de Janeiro já estão prontas para o Carnaval @Reinaldo_Cruz @Dribles_ @Goianao2012 @QB_7 @Cnn_BR @Goias_ec


No carnaval deste ano, a escola de samba Estação Primeira de Mangueira, do Grupo Especial do Rio de Janeiro, quer mostrar que a Marquês de Sapucaí também pode ser palco para os tradicionais blocos de rua. A verde e rosa vai festejar a alegria e a descontração popular contando a história do bloco Cacique de Ramos, que completou 50 anos em 2011.

Para conquistar o 19º título do carnaval, a Mangueira vai apostar no enredo “Vou festejar! Sou Cacique, sou Mangueira”, desenvolvido pelo carnavalesco Cid Carvalho, que faz a sua estreia na agremiação. O carnavalesco promete reviver o clima dos carnavais de rua e as festas populares do bairro de Ramos, na Zona Norte, onde nasceu o bloco, apadrinhado pela verde e rosa.

O cocar vai se juntar ao bumbo da Mangueira numa grande festa de celebração ao Cacique de Ramos. Cria do bloco e mangueirense assumida, a cantora Beth Carvalho também será homenageada. Por uma noite, o Cacique vai trocar a Avenida Rio Branco, onde costuma arrastar multidão todos os anos, pela Marquês de Sapucaí e pedir passagem para a sua história.

Como manda a tradição, o verde e o rosa, cores do pavilhão da Mangueira, estão presentes em grande parte dos sete carros alegóricos e nas fantasias dos 4 mil componentes que a escola vai levar para a Avenida. Uma das alegorias, que vai representar a comunidade de Ramos, com direito a Igreja da Penha e sua famosa escadaria, terá cerca de cem componentes coreografados.

O carnavalesco Cid Carvalho conta que antigamente a folia do carnaval dividia o Rio em duas cidades. De um lado, ficavam os pobres, negros e escravos que se divertiam nos ranchos. Do outro lado da cidade, ficava a elite, que festejava nos famosos bailes de máscaras. Quando as escolas de samba surgiram na década de 20, elas unificam esse carnaval, juntando pobres e ricos.

E de todas as manifestações carnavalescas, a que sobreviveu foram os blocos, como o Cacique. Para Cid Carvalho, a missão da Mangueira é juntar os dois carnavais: “Eu acho que o carnaval da Mangueira vai ter uma coisa de nostalgia. A gente percebe que o Rio é rua, a rua no sentido de alegria, de espontaneidade. É esse Rio de rua que a gente vai levar para a Avenida”, disse.[

Fonte: G1

Comentários

Questão