Comparsas do miliciano Adriano da Nóbrega recorreram a Jair Bolsonaro, diz The Intercept

Ligações perigosas apontam para relações estreitas entre comparsas do miliciano Adriano da Nóbrega e o Presidente da República, a matéria intitulada o "O cara da casa de vidro" traz dados que levantam suspeitas sobre Jair Bolsonaro.   O Intercept já havia reportado sobre as escutas em fevereiro, quando mostramos como Adriano dizia que “se fodia” por ser amigo do presidente da República, e em março, quando detalhamos a briga pelo espólio deixado pelo ex-caveira. As referências a “Jair” e “cara da casa de vidro” constam em novos documentos recebidos pela reportagem, que, em conjunto com as escutas anteriores, permitem entender a amplitude das relações do miliciano e da rede que lhe deu apoio no período em que passou foragido. Adriano da Nóbrega fugia da justiça desde janeiro de 2019, quando o Ministério Público do Rio pediu a sua prisão, acusando-o de chefiar a milícia Escritório do Crime, especializada em assassinatos por encomenda. Ex-integrante da elite do batalhão de elite

Reinaldo

Mourão sugere saída de Ernesto e Bolsonaro diz que vice deve "se candidatar em 2022" para escolher ministros

Em entrevista na última quarta, o vice-presidente havia dito que Ernesto Araújo, o ministro das Relações Exteriores, poderia ser substituído após as eleições da Câmara e do Senado. Nesta quinta, porém, o presidente Bolsonaro desmentiu Mourão e disse que se "alguém quiser escolher ministro, se candidate em 2022 ".
O presidente falou também que lamenta que "gente do próprio governo agora passe a dar palpites no tocante à troca de ministros". Nesta quinta, Mourão exonerou um assessor que teria conversado com o chefe de gabinete de um deputado para falar sobre um impeachment de Bolsonaro.
Fonte:  Mourão sugere saída de Ernesto e Bolsonaro diz que vice deve "se candidatar em 2022" para escolher ministros / Twitter 


Comentários

Questão