Comparsas do miliciano Adriano da Nóbrega recorreram a Jair Bolsonaro, diz The Intercept

Ligações perigosas apontam para relações estreitas entre comparsas do miliciano Adriano da Nóbrega e o Presidente da República, a matéria intitulada o "O cara da casa de vidro" traz dados que levantam suspeitas sobre Jair Bolsonaro.   O Intercept já havia reportado sobre as escutas em fevereiro, quando mostramos como Adriano dizia que “se fodia” por ser amigo do presidente da República, e em março, quando detalhamos a briga pelo espólio deixado pelo ex-caveira. As referências a “Jair” e “cara da casa de vidro” constam em novos documentos recebidos pela reportagem, que, em conjunto com as escutas anteriores, permitem entender a amplitude das relações do miliciano e da rede que lhe deu apoio no período em que passou foragido. Adriano da Nóbrega fugia da justiça desde janeiro de 2019, quando o Ministério Público do Rio pediu a sua prisão, acusando-o de chefiar a milícia Escritório do Crime, especializada em assassinatos por encomenda. Ex-integrante da elite do batalhão de elite

Reinaldo

O custo do aumento da popularidade de Jair Bolsonaro

Os colunistas Lauro Jardim e Fernando Gabeira analisam a elevação da popularidade do governo, impulsionada pela concessão do auxílio emergencial. Na última pesquisa Datafolha, 37% dos entrevistados avaliaram a gestão de Jair Bolsonaro como boa ou ótima, apesar das mais de 100 mil mortes por Covid-19 e das suspeitas envolvendo o caso Queiroz. 
Na avaliação dos colunistas, a política econômica do governo vai mudar e a situação do ministro da Economia, Paulo Guedes, nunca esteve tão frágil. Mesmo assim, ele se movimenta para ficar no cargo. 
Lauro e Gabeira também comentam o caso da menina de 10 anos, que ficou grávida após ser estuprada pelo tio. Na opinião deles, a reação ao episódio indica a força do conservadorismo no Brasil.
 

Comentários

Questão