Juliette não esperava repercussão mas se divertiu com o pedido de tradução do Pokemón da Nintendo

Juliette colocou um ponto final no mistério e divulgou em Live no Instagram nesta quinta-feira (3) as datas e as cidades que devem receber os primeiros cinco shows de sua turnê, 'Caminhos' . As cidades escolhidas são do Nordeste e Sudeste do país, e já acontecem ainda neste de março. O local escolhido para o primeiro show, aquele que marca a estréia dela nos palcos acontece na cidade em que reside, o Rio de Janeiro, no dia 26 deste mês. João Pessoa, capital do estado natal de Juliette, Paraíba, também faz parte da rota da turnê no início de abril. Vitória, no Espírito Santo, e Recife, também terão shows da cantora. Muito se perguntou nas redes sociais após a divulgação sobre Campina Grande, apesar de Juliette não ter falado sobre isso, acreditamos que a Pitica deve estar reservando a cidade e o Parque do Povo para realizar o sonho de cantar no maior São João do mundo em Junho. Nas redes sociais, a paraibana celebrou o novo desafio, e convidou os fãs a conhecerem este “novo cami

Reinaldo

As transações em dinheiro vivo da família Bolsonaro

Em dinheiro vivo, Família Bolsonaro já movimentou pelo menos R$ 1 ...
Ao Ministério Público do Rio, o senador Flávio Bolsonaro (Republicanos) afirmou, em depoimento prestado no começo de julho, que não se recorda de nenhum pagamento em dinheiro para a aquisição de dois apartamentos, em Copacabana, em 2012. Ocorre que o MP descobriu, na investigação sobre a prática da rachadinha no gabinete de Flávio, quando ele era deputado na Assembleia do Rio (Alerj), elementos que levantam suspeitas de que houve, sim, pagamento em espécie, com valores bem altos. 
O vendedor depositou R$ 638 mil, em dinheiro, na agência que fica a uma rua do cartório onde foi lavrada a escritura do negócio, no mesmo dia da operação. Para o MP, a venda foi registrada com valor abaixo do negociado e o pagamento, em espécie, foi feito por Flávio, com dinheiro do esquema da rachadinha. 
Mas essa não é uma operação tão incomum no círculo íntimo do presidente. Reportagem publicada pelo GLOBO, na quarta-feira, mostra que, em 24 anos, os Bolsonaro usaram R$ 1,5 milhão, em espécie, para quitar compromissos. 
Em valores corrigidos, são R$ 2,9 milhões. No Ao Ponto desta sexta-feira, a repórter Juliana Dal Piva e o editor-chefe da revista Época, Pedro Dias Leite, detalham o quanto esse hábito de pagamentos em dinheiro se confunde com as investigações sobre o caso Queiroz, cuja prisão domiciliar foi revogada na quinta-feira.

Comentários

Questão