Celso de Mello retira do plenário virtual do STF votação sobre depoiment...

Como bem lembrou Marco Aurélio, presencialmente Bolsonaro pode optar por ficar calado. Por escrito, não seria ele o autor das respostas e sim seus advogados... Um imbróglio que está se transformando em cabo de guerra no judiciário.

As transações em dinheiro vivo da família Bolsonaro

Em dinheiro vivo, Família Bolsonaro já movimentou pelo menos R$ 1 ...
Ao Ministério Público do Rio, o senador Flávio Bolsonaro (Republicanos) afirmou, em depoimento prestado no começo de julho, que não se recorda de nenhum pagamento em dinheiro para a aquisição de dois apartamentos, em Copacabana, em 2012. Ocorre que o MP descobriu, na investigação sobre a prática da rachadinha no gabinete de Flávio, quando ele era deputado na Assembleia do Rio (Alerj), elementos que levantam suspeitas de que houve, sim, pagamento em espécie, com valores bem altos. 
O vendedor depositou R$ 638 mil, em dinheiro, na agência que fica a uma rua do cartório onde foi lavrada a escritura do negócio, no mesmo dia da operação. Para o MP, a venda foi registrada com valor abaixo do negociado e o pagamento, em espécie, foi feito por Flávio, com dinheiro do esquema da rachadinha. 
Mas essa não é uma operação tão incomum no círculo íntimo do presidente. Reportagem publicada pelo GLOBO, na quarta-feira, mostra que, em 24 anos, os Bolsonaro usaram R$ 1,5 milhão, em espécie, para quitar compromissos. 
Em valores corrigidos, são R$ 2,9 milhões. No Ao Ponto desta sexta-feira, a repórter Juliana Dal Piva e o editor-chefe da revista Época, Pedro Dias Leite, detalham o quanto esse hábito de pagamentos em dinheiro se confunde com as investigações sobre o caso Queiroz, cuja prisão domiciliar foi revogada na quinta-feira.

Comentários