Fórmula 1 ou Fórmula Mercedes? Hamilton vence GP da Estíria e fica a seis vitórias de igualar Schumacher

Vivemos uma época em que a velocidade das informações são tão rápidas e avassaladoras quanto uma tomada de tempo para a largada de um Grande Prêmio. Muitos jovens nem se lembram da grandeza de lendas que passaram pelo paddock e escreveram nas pistas seus nomes na história do automobilismo mundial. Falar de Juan Manuel Fangio, Emerson Fittipaldi, Niki Lauda, Alan Prost ou Nelson Piquet então, seria para muita gente algo de outro mundo. Ayrton Senna ocupa um lugar especial no coração dos aficionados por Fórmula 1, mas em termos de números é Michael Schumacher o maior de todos, seguido bem de perto pelo britânico Lewis Hamilton. É a frieza dos números, e dizem por ai que eles não mentem jamais, que pode colocar o atual piloto da Mercedes no topo da lista dos melhores de todos os tempos. O ano de 2020 é atípico, pode atrasar a quebra dos recordes de Shumi, mas não há dúvidas que Hamilton vai pulverizar todas as marcas da F1 nos próximos dois anos. Com a Mercedes absoluta nas pistas, Lewis Ha…

Tensão entre poderes coloca o Brasil e a democracia em estado de alerta - Ruptura institucional já está em curso

O presidente comentou decisão do ministro do Supremo Tribunal Federal Luiz Fux, que afirmou que as Forças Armadas não são um poder moderador em eventual conflito entre os poderes Executivo, Legislativo e Judiciário. Bolsonaro emitiu nota em conjunto com o vice Hamilton Mourão e com o ministro da Defesa, general Fernando Azevedo.
O vice-presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Luiz Fux, deferiu parcialmente pedido de liminar na Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI) 6457 para que a Corte dê interpretação conforme a Constituição Federal a dispositivos de leis que tratam do emprego das Forças Armadas. Na decisão, o ministro determinou, ainda, que a medida liminar seja submetida a referendo do Plenário.

A ação, proposta pelo Partido Democrático Trabalhista (PDT), tem como objeto dispositivos da Lei Complementar 97/1999, com alterações introduzidas em 2004 e 2010. O partido questiona pontos que tratam da hierarquia "sob autoridade suprema do presidente da República"; da definição de ações para destinação das Forças Armadas conforme a Constituição; e da atribuição do presidente da República para decidir a respeito do pedido dos demais Poderes sobre o emprego das Forças Armadas.

Ao deferir parcialmente a medida liminar, para referendo do Plenário, o ministro Luiz Fux ressalta que a missão institucional das Forças Armadas na defesa da Pátria, na garantia dos poderes constitucionais e na garantia da lei e da ordem não acomoda o exercício de poder moderador entre os Poderes Executivo, Legislativo e Judiciário.

Para ele, a chefia das Forças Armadas é poder limitado, “excluindo-se qualquer interpretação que permita sua utilização para indevidas intromissões no independente funcionamento dos outros Poderes, relacionando-se a autoridade sobre as Forças Armadas às competências materiais atribuídas pela Constituição ao presidente da República”.

Luiz Fux também frisou que a prerrogativa do presidente da República de autorizar o emprego das Forças Armadas, por iniciativa própria ou em atendimento a pedido manifestado por quaisquer dos outros poderes constitucionais, não pode ser exercida contra os próprios Poderes entre si. "O emprego das Forças Armadas para a 'garantia da lei e da ordem', embora não se limite às hipóteses de intervenção federal, de estados de defesa e de estado sítio, presta-se ao excepcional enfrentamento de grave e concreta violação à segurança pública interna, em caráter subsidiário, após o esgotamento dos mecanismos ordinários e preferenciais de preservação da ordem pública", assentou o ministro, ao lembrar que a ação deve ocorrer mediante a atuação colaborativa das instituições estatais e sujeita ao controle permanente dos demais Poderes, na forma da Constituição e da lei.
Leia a íntegra da decisão. 



Fonte:  'Forças Armadas não aceitam tomada de Poder por outro Poder por conta de julgamentos políticos', diz Bolsonaro / Twitter

Comentários