Morre aos 85 anos, vítima de Covid-19, o ator Tarcísio Meira

Tarcísio Meira, 85, morreu nesta quinta-feira (12) vítima da Covid-19. Ele estava internado na UTI onde passava por diálise contínua. Tarcísio e a esposa, a atriz Glória Menezes, foram internados com a doença provocada pelo coronavírus desde a última sexta-feira (6).  Já sobre Glória Menezes, ela segue internada no apartamento se recuperando bem. Os dois eram casados desde 1962 e pais do também ator Tarcísio Filho, 58 anos. Apesar de vacinados com as duas doses de imunizante contra a Covid-19, a idade dos atores contribuiu para um quadro delicado. 🙏🙏🙏 #MPN, #JulietteFashion, #JulietteCriadora,#juliettenaamericanas, #avonliette, #juliettenogloboplay, #HAVAINASDEJULIETTE, #JulietteELOccitane, #ACeADeJuliette, #BohemiadaJuliette,#juliettenaloccitaneaubresil, #BohemiadaJuliette, #juliettenosaiajusta, #JulietteNoHugoGloss, #juliettenofantastico, #juliettenoge, #BBB21, #JulietteProtagonista, #TeamJuliette, #juliettenofaustao, #JuliettenoPorchat, #JuliettenoCriançaEsperança, #J

Reinaldo

As gigantes do comércio eletrônico estudam a possibilidade de comprar os Correios

Jair Bolsonaro já deixou bem claro a vontade de privatizar os Correios, empresa detentora do monopólio brasileiro no segmento de correspondências.
A venda da estatal já tem atraído a atenção de gigantes globais como a norte-americana Amazon e a chinesa Alibaba, dona do AliExpress. Segundo a coluna Esplanada, do jornal O Dia, as gigantes do comércio eletrônico discretamente estudam a possibilidade de comprar os Correios.

O interesse se daria por conta da enorme estrutura logística que a estatal dispõe, com rotas e agências de distribuição de alcance em nível nacional. Ainda segundo a nota, existe a possibilidade da Amazon ou Alibaba se unirem a um grande banco nacional para a compra. 

Desse modo, o serviço postal seria aproveitado pelas instituições financeiras enquanto a logística seria de serventia das gigantes internacionais. Ainda não há previsão para o início do processo de privatização dos Correios.

Comentários

Questão