Bebianno prepara dossiê sobre campanha de Bolsonaro, diz Mônica Bergamo

Gustavo Bebianno disse a pessoas próximas que pretende reunir documentos para fundamentar eventuais histórias que tenha que contar sobre a campanha de Jair Bolsonaro e sobre o período em que permaneceu no governo como ministro da Secretaria-Geral da Presidência – ele foi demitido na segunda-feira (18). As informações foram publicadas pela colunista Mônica Bergamo, do jornal Folha de S. Paulo.
Resultado de imagem para Monica bergamo e Bebianno
Nesta terça-feira (19), a revista Veja divulgou áudios de conversas entre o presidente e Bebianno. Até então, o ex-ministro vinha afirmando que não atacaria Bolsonaro. À colunista, afirmou que o Brasil “não merece isso”.

Saiba quem é Bebianno

Uma das figuras mais próximas de Bolsonaro durante a campanha, Gustavo Bebianno presidiu o PSL durante a eleição e atuou como um dos mais próximos conselheiros do então candidato.

Advogado, s

Bebianno prepara dossiê sobre campanha de Bolsonaro, diz colunista

e aproximou de Bolsonaro em 2017, quando o presidente ainda era deputado. Nessa época, se ofereceu para atuar em processos judiciais de Bolsonaro de graça e, aos poucos, ganhou a confiança de Bolsonaro, a quem chama de “capitão”.

No entanto, a relação do agora ex-ministro e de Carlos Bolsonaro, um dos filhos do presidente, nunca foi amistosa. Na época da campanha, Carlos se licenciou do mandato de vereador para acompanhar o pai.

A relação dos dois piorou porque Carlos, responsável pelo sucesso das redes sociais do pai, ficou incomodado com o fato de não participar das gravações do programa eleitoral e das estratégias da campanha, o que ficou a cargo de um núcleo em torno de Bebianno.

Apesar de ter sido homem forte da campanha, Bebianno demorou a ser oficializado ministro. Assim que o pai decidiu que seu desafeto seria o titular da Secretaria-Geral, Carlos operou para esvaziar as atribuições da pasta, deixando Bebianno com uma atividade mais administrativa.

Carlos sonhava em comandar a Secretaria de Comunicação do governo, mas teve seus planos frustrados depois que o pai disse que isso configuraria nepotismo. Ele atribui a Bebianno a desistência do presidente de nomeá-lo.

Entenda a crise no governo

Bebianno é o pivô da primeira crise política do governo, gerada pela suspeita de que o PSL fez uso de candidatura “laranja” nas eleições de 2018 para desviar verbas públicas, como divulgado pela Folha de S. Paulo. A suspeita azedou de vez a relação.

Após a reportagem da Folha, Bebianno negou em entrevista ao jornal O Globo que fosse o pivô de uma crise dentro do governo e acrescentou que, somente naquele dia, havia falado com o presidente por três vezes por mensagens de WhatsApp.

Após a publicação da entrevista, Carlos usou uma rede social para afirmar que Bebianno mentiu ao dizer que havia falado com o presidente. “Ontem estive 24h do dia ao lado do meu pai e afirmo: “É uma mentira absoluta de Gustavo Bebbiano que ontem teria falado 3 vezes com Jair Bolsonaro para tratar do assunto citado pelo Globo e retransmitido pelo Antagonista.””, escreveu.

Carlos, e depois o próprio Jair Bolsonaro, chegaram a divulgar um áudio no qual, segundo eles, o presidente diz a Bebianno que não podia falar com o então ministro.

Os áudios revelados pela revista “Veja”, porém, mostram que Bolsonaro encaminhou três mensagens de áudio para Bebianno no dia 12, mesma data em que o ex-ministro disse ter falado “três vezes” com o presidente.

Além disso, há entre os áudios outras dez mensagens trocadas entre Bebianno e o presidente nos dias seguintes.

Reunião com representante da Globo

Apesar do clima ruim após a reportagem sobre as supostas candidaturas laranjas, a gota d’água foi Bebianno ter agendado um encontro na quarta-feira (13) com o vice-presidente de Relações Institucionais da Rede Globo, Paulo Tonet, emissora vista como ‘inimiga’ pela família Bolsonaro.

A reunião, que constava na agenda pública de Bebianno, foi informada a Bolsonaro por Carlos, quando ainda estava internado no hospital Albert Einstein se recuperando de uma cirurgia.

O compromisso foi tema de bate-boca entre os dois por meio de áudios de WhatsApp, divulgados por Veja:

“Gustavo, o que eu acho desse cara da Globo dentro do Palácio do Planalto: eu não quero ele aí dentro. Qual a mensagem que vai dar para as outras emissoras? Que nós estamos se aproximando da Globo. Então não dá para ter esse tipo de relacionamento. Agora… Inimigo passivo, sim. Agora… Trazer o inimigo para dentro de casa é outra história. Pô, cê tem que ter essa visão, pelo amor de Deus, cara. Fica complicado a gente ter um relacionamento legal dessa forma porque cê tá trazendo o maior cara que me ferrou – antes, durante, agora e após a campanha – para dentro de casa. Me desculpa. Como presidente da República: cancela, não quero esse cara aí dentro, ponto final. Um abraço aí.”

Bebianno afirma ter sido demitido pelo filho de Bolsonaro

Nesta terça-feira, em entrevista à rádio Jovem Pan, Bebianno afirmou que foi demitido do cargo por Carlos. Segundo ele, o filho do presidente é um “destruidor de reputações” e “coleciona inimigos”.

Ele disse ainda ter “amor” e “afeto” pelo presidente e declarou não ter dúvida de que o governo “será um sucesso”.

Comentários