Comparsas do miliciano Adriano da Nóbrega recorreram a Jair Bolsonaro, diz The Intercept

Ligações perigosas apontam para relações estreitas entre comparsas do miliciano Adriano da Nóbrega e o Presidente da República, a matéria intitulada o "O cara da casa de vidro" traz dados que levantam suspeitas sobre Jair Bolsonaro.   O Intercept já havia reportado sobre as escutas em fevereiro, quando mostramos como Adriano dizia que “se fodia” por ser amigo do presidente da República, e em março, quando detalhamos a briga pelo espólio deixado pelo ex-caveira. As referências a “Jair” e “cara da casa de vidro” constam em novos documentos recebidos pela reportagem, que, em conjunto com as escutas anteriores, permitem entender a amplitude das relações do miliciano e da rede que lhe deu apoio no período em que passou foragido. Adriano da Nóbrega fugia da justiça desde janeiro de 2019, quando o Ministério Público do Rio pediu a sua prisão, acusando-o de chefiar a milícia Escritório do Crime, especializada em assassinatos por encomenda. Ex-integrante da elite do batalhão de elite

Reinaldo

Miro Teixeira quer disputar o Senado na coligação de Romário. Marina diz ser contra aliança da Rede com Podemos-RJ

A Rede, da presidenciável Marina Silva, tem negociação avançada para uma aliança com o senador Romário (Podemos), pré-candidato ao governo do Rio de Janeiro. As tratativas estão sendo feitas em nível local, sem participação de Marina. 
Pelo acordo, o deputado Miro Teixeira (Rede) seria um dos candidatos ao Senado da chapa. A negociação ainda não definiu como se daria a atuação de Romário em relação à disputa presidencial. O Podemos tem como pré-candidato o senador Álvaro Dias. Marina tem uma aproximação maior com o pré-candidato Rubem César (PPS), fundador da ONG Viva Rio, mas a candidatura do antropólogo perdeu força com as movimentações nacionais.

Comentários

Questão