Comparsas do miliciano Adriano da Nóbrega recorreram a Jair Bolsonaro, diz The Intercept

Ligações perigosas apontam para relações estreitas entre comparsas do miliciano Adriano da Nóbrega e o Presidente da República, a matéria intitulada o "O cara da casa de vidro" traz dados que levantam suspeitas sobre Jair Bolsonaro.   O Intercept já havia reportado sobre as escutas em fevereiro, quando mostramos como Adriano dizia que “se fodia” por ser amigo do presidente da República, e em março, quando detalhamos a briga pelo espólio deixado pelo ex-caveira. As referências a “Jair” e “cara da casa de vidro” constam em novos documentos recebidos pela reportagem, que, em conjunto com as escutas anteriores, permitem entender a amplitude das relações do miliciano e da rede que lhe deu apoio no período em que passou foragido. Adriano da Nóbrega fugia da justiça desde janeiro de 2019, quando o Ministério Público do Rio pediu a sua prisão, acusando-o de chefiar a milícia Escritório do Crime, especializada em assassinatos por encomenda. Ex-integrante da elite do batalhão de elite

Reinaldo

Depois da corrida aos postos de saúde pela vacina, agora sobra remédio nas áreas de risco #QuestãoBrasil

A vacinação é a melhor maneira de se proteger contra a febre amarela. Entretanto, seu uso pode trazer riscos e ela deve ser distribuída com cautela para que situações de epidemia sejam evitadas.
"No início, as pessoas saíam de áreas não visadas pelo vírus para se sujeitar a pegá-lo nas filas das regiões em que havia casos; agora sobram doses nos postos", afirma Regiane de Paula, diretora do Centro de Vigilância Epidemiológica da Secretaria de Estado de Saúde de São Paulo.

Depois da corrida aos postos de saúde pela vacina, agora sobra remédio nas áreas de risco. Por trás das duas situações, está a desinformação que as autoridades de saúde são incapazes de combater https://istoe.com.br/febre-amarela-confusao-generalizada/ #QuestãoBrasil

Comentários

Questão