Mortes por coronavírus em São Paulo caem e chegam ao índice mais baixo desde Maio

Nesta sexta-feira, 25 de setembro, mais uma vez, o estado de São Paulo registrou queda no número de mortes que, agora, está no menor índice desde maio. Na comparação com a semana passada, os óbitos caíram no estado. Por conta da situação controlada, o governador João Dória anunciou que o hospital de campanha do Ibirapuera vai fechar já na próxima semana, no dia 30 de setembro. 
Nas últimas 24 horas, foram 31.911 novos casos de coronavírus e 729 mortes causadas pela doença, de acordo com dados do Ministério da Saúde. No total, o país acumula agora 4.689.613 infectados, 140.537 óbitos e 4.040.949 recuperados. A média móvel dos últimos sete dias é de 27.776 casos e de 678 mortes.
Leia mais sobre a pandemia de coronavírus: http://abr.ai/coronavirus-ultimas

JBS-Friboi DELATA MICHEL TEMER E AÉCIO NEVES: É o Fim da linha para o Senador Minieiro | Minha Otica Sobre Politica

 

Na tarde de quarta-feira passada, Joesley Batista e o seu irmão Wesley entraram apressados no STF e seguiram direto para o gabinete do ministro Edson Fachin. 

Os donos da JBS, a maior produtora de proteína animal do planeta, estavam acompanhados de mais cinco pessoas, todas da empresa. Foram lá para o ato final de uma bomba atômica que explodirá sobre o país — a delação premiada que fizeram, com poder de destruição igual ou maior que a da Odebrecht. 

Diante de Fachin, a quem cabe homologar a delação, os sete presentes ao encontro confirmaram: tudo o que contaram à Procuradoria-Geral da República em abril foi por livre e espontânea vontade, sem coação. 

 É uma delação como jamais foi feita na Lava-Jato:

 Nela, o presidente Michel Temer foi gravado em um diálogo embaraçoso. Diante de Joesley, Temer indicou o deputado Rodrigo Rocha Loures (PMDB-PR) para resolver um assunto da J&F (holding que controla a JBS). 

Posteriormente, Rocha Loures foi filmado recebendo uma mala com R$ 500 mil enviados por Joesley. Temer também ouviu do empresário que estava dando a Eduardo Cunha e ao operador Lúcio Funaro uma mesada na prisão para ficarem calados. 

Diante da informação, Temer incentivou: 

“Tem que manter isso, viu?”

 Aécio Neves foi gravado pedindo R$ 2 milhões a Joesley. O dinheiro foi entregue a um primo do presidente do PSDB, numa cena devidamente filmada pela Polícia Federal. 

A PF rastreou o caminho dos reais. Descobriu que eles foram depositados numa empresa do senador Zeze Perrella (PSDB-MG).

Comentários