Comparsas do miliciano Adriano da Nóbrega recorreram a Jair Bolsonaro, diz The Intercept

Ligações perigosas apontam para relações estreitas entre comparsas do miliciano Adriano da Nóbrega e o Presidente da República, a matéria intitulada o "O cara da casa de vidro" traz dados que levantam suspeitas sobre Jair Bolsonaro.   O Intercept já havia reportado sobre as escutas em fevereiro, quando mostramos como Adriano dizia que “se fodia” por ser amigo do presidente da República, e em março, quando detalhamos a briga pelo espólio deixado pelo ex-caveira. As referências a “Jair” e “cara da casa de vidro” constam em novos documentos recebidos pela reportagem, que, em conjunto com as escutas anteriores, permitem entender a amplitude das relações do miliciano e da rede que lhe deu apoio no período em que passou foragido. Adriano da Nóbrega fugia da justiça desde janeiro de 2019, quando o Ministério Público do Rio pediu a sua prisão, acusando-o de chefiar a milícia Escritório do Crime, especializada em assassinatos por encomenda. Ex-integrante da elite do batalhão de elite

Reinaldo

Delta: Esquema de Assad desviou R$ 71 mi de obra do Governo Tucano de José Serra | @Reinaldo_Cruz – A Politica como profissao

Empresário Fernando Cavendish, da Delta, e o operador de propinas Adir Assad podem se tornar réus também em ação penal na Justiça de SP, por suspeitas de fraude de R$ 71,6 milhões envolvendo licitação para o lote 2 da obra de ampliação da marginal do Rio Tietê, em São Paulo; a concorrência, realizada em 2008, durante o governo de José Serra (PSDB-SP), atual chanceler de Michel Temer, foi vencida pelo Consórcio Nova Tietê pelo valor de R$ 287,2 milhões para um contrato de vigência de 15 meses; no entanto, segundo o MP, o total pago ao final pela Dersa foi de R$ 360,3 milhões 

Comentários

Questão