Juliette não esperava repercussão mas se divertiu com o pedido de tradução do Pokemón da Nintendo

Juliette colocou um ponto final no mistério e divulgou em Live no Instagram nesta quinta-feira (3) as datas e as cidades que devem receber os primeiros cinco shows de sua turnê, 'Caminhos' . As cidades escolhidas são do Nordeste e Sudeste do país, e já acontecem ainda neste de março. O local escolhido para o primeiro show, aquele que marca a estréia dela nos palcos acontece na cidade em que reside, o Rio de Janeiro, no dia 26 deste mês. João Pessoa, capital do estado natal de Juliette, Paraíba, também faz parte da rota da turnê no início de abril. Vitória, no Espírito Santo, e Recife, também terão shows da cantora. Muito se perguntou nas redes sociais após a divulgação sobre Campina Grande, apesar de Juliette não ter falado sobre isso, acreditamos que a Pitica deve estar reservando a cidade e o Parque do Povo para realizar o sonho de cantar no maior São João do mundo em Junho. Nas redes sociais, a paraibana celebrou o novo desafio, e convidou os fãs a conhecerem este “novo cami

Reinaldo

Patrimônio dos Goianos já era: Governo Federal marca para agosto leilão da Celg-D | @Reinaldo_Cruz – Assuntos de Goiás – Questão Brasil

1a24dd29cf9181715ff6b38bf47af792 
 Sempre que questionado sobre a derrocada da Celg, os integrantes do antigo Tempo Novo se apressam em dizer que isso se deve a venda de Cachoeira Dourada por parte do Governo do PMDB, o que não deixa de ser verdade, pois tudo começou a caminhar pra trás desde aquele momento. 

Só que após 17 anos no poder, o Governador Marconi Perillo não tem como negar que foi em suas gestões que a Companhia Energética de Goiás viveu seus piores momentos, passando de maior empresa do estado a fardo para à administração pública. 

E lá se vai a CELG... 

Uma nódoa que simboliza um fracasso das gestões Tucanas em Goiás. 

A proposta mínima fixada pelo governo para a Celg é de R$ 2,8 bilhões. O valor supera o montante de dívidas da empresa que, em meados de 2015, era estimado em R$ 2,451 bilhões. 

No próprio edital, publicado na edição desta sexta do Diário Oficial da União, o governo aponta que “A Celg-D encontra-se em uma situação econômico-financeira desafiadora.” 

Criada em 1956, a Celg-D atende atualmente 237 cidades goianas (98,7% do território do estado), num total de 2,7 milhões de unidades que consomem 2,4% da energia elétrica gerada no país. 

A empresa, que era controlada pelo governo de Goiás, tem histórico de dificuldades financeiras. 

Por conta disso, em janeiro de 2015 ela foi federalizada e seu controle passou à Eletrobras.

Atualmente, a Eletrobras tem 50,3% das ações da Celg-D. 

O restante está com a Celgpar, empresa que pertence ao governo de Goías. 

Comentários

Questão