Comparsas do miliciano Adriano da Nóbrega recorreram a Jair Bolsonaro, diz The Intercept

Ligações perigosas apontam para relações estreitas entre comparsas do miliciano Adriano da Nóbrega e o Presidente da República, a matéria intitulada o "O cara da casa de vidro" traz dados que levantam suspeitas sobre Jair Bolsonaro.   O Intercept já havia reportado sobre as escutas em fevereiro, quando mostramos como Adriano dizia que “se fodia” por ser amigo do presidente da República, e em março, quando detalhamos a briga pelo espólio deixado pelo ex-caveira. As referências a “Jair” e “cara da casa de vidro” constam em novos documentos recebidos pela reportagem, que, em conjunto com as escutas anteriores, permitem entender a amplitude das relações do miliciano e da rede que lhe deu apoio no período em que passou foragido. Adriano da Nóbrega fugia da justiça desde janeiro de 2019, quando o Ministério Público do Rio pediu a sua prisão, acusando-o de chefiar a milícia Escritório do Crime, especializada em assassinatos por encomenda. Ex-integrante da elite do batalhão de elite

Reinaldo

Após 1 ano, padrão Mano não apareceu @Reinaldo_Cruz @CartaBrasil @Radio_versatil @assuntodegoias http://t.co/0w9ZJDr

A tendência é que Mano aumente, nos próximos amistosos, a presença de jogadores com "idade olímpica" nas convocações. Nos Jogos, o futebol é disputado por seleções sub-23, com a presença de até três atletas acima dessa idade. Na Copa América, Mano levou cinco jogadores com "idade olímpica": Neymar, Ganso, Pato, Lucas e Sandro (cortado por lesão). No próximo amistoso da seleção, contra a Alemanha, em agosto, esse número deve ser um pouco maior. O primeiro teste do "time olímpico" deverá ocorrer em setembro. O Brasil terá dois confrontos com a Argentina, um em cada país, sem a presença de atletas que jogam na Europa. "O planejamento para a Olimpíada vai ser bem complexo", disse Mano ontem, ainda na Argentina. "Sabemos que os Jogos não fazem parte do calendário da Fifa, e deve haver consentimento dos clubes da Europa." Na Olimpíada de Londres, Mano terá Ney Franco, técnico da sub-20, como seu auxiliar. Franco dirigiu a equipe no Sul-Americano da categoria, em janeiro, no Peru. O Brasil levou a taça e a vaga para 2012.

Comentários

Questão