Estados articulam ofensiva para barrar proposta de parcelamento de precatórios

A perda de prestígio e credibilidade do governo leva o ministério da economia a tentar manobra para não repassar de uma vez os precatórios aos estados, e assim evitar que opositores tenham acesso a verba às vésperas do ano eleitoral. Jair Bolsonaro segue sua ofensiva contra a Democracia, instituições e o sistema de votação, ao tempo em que tenta asfixiar financeiramente possíveis adversários no pleito de 2022. A matéria do Estadão retrata este cenário: Os Estados se mobilizam numa ofensiva no Congresso para evitar o parcelamento dos precatórios devidos pela União, medida defendida pela equipe econômica para garantir a ampliação do programa Bolsa Família no ano que vem. Dos R$ 89 bilhões em dívidas judiciais previstos para o Orçamento de 2022, pelo menos R$ 16,6 bilhões têm governos estaduais como credores. Para os Estados, a PEC dos precatórios e o projeto que altera o Imposto de Renda são duas frentes lançadas pelo governo federal que fragilizam as contas dos governos regionais, com p

Reinaldo

Vice-presidente Hamilton Mourão afirma que não existe racismo no Brasil

Autoridades brasileiras comentaram sobre o assassinato brutal de um homem negro por dois seguranças brancos em um supermercado da rede Carrefour em Porto Alegre. Hamilton Mourão (PRTB), vice-presidente da República, lamentou a morte de João Alberto Silveira Freitas, de 40 anos, mas afirmou que não existe racismo no Brasil. 
A Fundação Cultural Palmares, instituição voltada à preservação da cultura negra no Brasil, não se manifestou sobre o caso.
O vice presidente da República perdeu uma ótima oportunidade de ficar calado. Ao negar a existência de racismo no país, Hamilton Mourão viveu seu momento Jair Bolsonaro e passou vergonha a nível interplanetário por acionar a boca sem ligar o cérebro.
A ONU Brasil emitiu nota desmentindo o vice-presidente Hamilton Mourão, que declarou que "não existe racismo no Brasil", dizendo que a morte de João Alberto "é um ato que evidencia as diversas dimensões do racismo e as desigualdades encontradas na estrutura social brasileira".
Só pra registrar: o negacionismo de Bolsonaro e Mourão em relação ao racismo é idêntico ao que até recentemente era propagado pelo ainda diretor de jornalismo da Globo, Ali Kamel, que dizia que “não somos racistas” e que os conflitos eram importados. Valia tudo contra as cotas.
“No Brasil não existe racismo, isso é uma coisa que querem importar”, disse o vice-presidente Mourão, "com toda tranquilidade", sobre o caso de Beto Freitas, homem negro que foi espancado até a morte por seguranças de um Carrefour em Porto Alegre.

Comentários

Questão