Estados articulam ofensiva para barrar proposta de parcelamento de precatórios

A perda de prestígio e credibilidade do governo leva o ministério da economia a tentar manobra para não repassar de uma vez os precatórios aos estados, e assim evitar que opositores tenham acesso a verba às vésperas do ano eleitoral. Jair Bolsonaro segue sua ofensiva contra a Democracia, instituições e o sistema de votação, ao tempo em que tenta asfixiar financeiramente possíveis adversários no pleito de 2022. A matéria do Estadão retrata este cenário: Os Estados se mobilizam numa ofensiva no Congresso para evitar o parcelamento dos precatórios devidos pela União, medida defendida pela equipe econômica para garantir a ampliação do programa Bolsa Família no ano que vem. Dos R$ 89 bilhões em dívidas judiciais previstos para o Orçamento de 2022, pelo menos R$ 16,6 bilhões têm governos estaduais como credores. Para os Estados, a PEC dos precatórios e o projeto que altera o Imposto de Renda são duas frentes lançadas pelo governo federal que fragilizam as contas dos governos regionais, com p

Reinaldo

Pagamentos de Wilson Witzel apontam indícios de lavagem de dinheiro

O novato na política que surpreendeu nas urnas em 2018 aprendeu rápido os macetes da "velha política" e as suspeitas de corrupção são estarrecedoras como eram os esquemas do já condenado ex-governador Sérgio Cabral. O governador afastado, Wilson Witzel, atribui as denúncias do MP a uma perseguição política depois que ele rompeu com o clã Bolsonaro.
As investigações sobre as fraudes na saúde do Rio de Janeiro apontaram indícios de lavagem de dinheiro em pagamentos feitos pelo governador Wilson Witzel, que foi afastado.

Comentários

Questão