Comparsas do miliciano Adriano da Nóbrega recorreram a Jair Bolsonaro, diz The Intercept

Ligações perigosas apontam para relações estreitas entre comparsas do miliciano Adriano da Nóbrega e o Presidente da República, a matéria intitulada o "O cara da casa de vidro" traz dados que levantam suspeitas sobre Jair Bolsonaro.   O Intercept já havia reportado sobre as escutas em fevereiro, quando mostramos como Adriano dizia que “se fodia” por ser amigo do presidente da República, e em março, quando detalhamos a briga pelo espólio deixado pelo ex-caveira. As referências a “Jair” e “cara da casa de vidro” constam em novos documentos recebidos pela reportagem, que, em conjunto com as escutas anteriores, permitem entender a amplitude das relações do miliciano e da rede que lhe deu apoio no período em que passou foragido. Adriano da Nóbrega fugia da justiça desde janeiro de 2019, quando o Ministério Público do Rio pediu a sua prisão, acusando-o de chefiar a milícia Escritório do Crime, especializada em assassinatos por encomenda. Ex-integrante da elite do batalhão de elite

Reinaldo

Ministro do STF comenta envio de vídeo por Bolsonaro e cita crime de responsabilidade

Segundo o jornal 'O Estado S. Paulo', o presidente disparou pelo celular um vídeo convocando manifestantes para ato em sua defesa, no dia 15 de março. Os protestos, de acordo a reportagem, têm viés contra o Congresso. 
Resultado de imagem para stf x bolsonaro
O ministro Celso de Mello, do Supremo Tribunal Federal, disse à 'Folha' que é vedado ao presidente da República, 'sob pena de incidir em crime de responsabilidade, transgredir a supremacia político-jurídica da Constituição e das leis da República'. Bolsonaro disse que utiliza o WhatsApp para trocar 'mensagens pessoais'.
 
Ministro do STF comenta envio de vídeo por Bolsonaro e cita crime de responsabilidade / Twitter

Comentários

Questão