As provas gritam: de mamando a caducando a família Bolsonaro é corrupta, diz Vanessa Grazziotin

O Globo traz matéria sobre o imbróglio de 'lavagem de dinheiro' envolvendo a família do Presidente da República. O filho Zero Hum aparece mal na fita e cada vez mais enrolado no emaranhado da rachadinha, inquérito conduzido pelo MP-RJ.

O senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ) disse em depoimento ao Ministério Público do Rio (MP-RJ), no âmbito da investigação da “rachadinha”, que não se recorda de ter feito pagamento em espécie durante a aquisição de dois apartamentos em Copacabana, em 2012. Os promotores descobriram que, no mesmo dia em que a compra foi registrada em cartório, por R$ 310 mil, o vendedor dos imóveis efetuou ainda um depósito de R$ 638 mil em dinheiro vivo em um banco que fica a uma rua do cartório onde foi lavrada a escritura. Para o MP-RJ, a venda foi registrada abaixo dos valores negociados, e o pagamento em espécie foi feito no momento da escritura e com dinheiro oriundo do esquema das rachadinhas. Fonte:Flávio Bolsonaro diz não lembrar de pagamento em espé…

Gaeco/ MP deflagra operação contra fraudes no IMAS e Prende o Presidente Sebastião Peixoto

O Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) do Ministério Público de Goiás deflagrou na madrugada desta quinta-feira (21) a operação Fatura Final. A investigação apura a existência de organização criminosa que, mediante falsificação ou uso de documentos adulterados, agiu para apropriar-se de verbas do Instituto de Assistência a Saúde e Social dos Servidores Municipais de Goiânia (IMAS).
Estão sendo cumpridos seis mandados de prisão temporária e nove mandados de busca e apreensão em Goiânia. Além do atual presidente do IMAS, também foi decretada a prisão de cinco médicos que participaram do esquema. Neste momento, a sede do IMAS, além de clínicas médicas vinculadas aos investigados, são alvo de busca e apreensão.
As fraudes aconteciam em atendimentos médicos inexistentes, registrados em uma clínica de fachada que foi credenciada no IMAS por contrato celebrado no valor de RS 10 milhões.
Os promotores apuraram uso indevido de registros de conveniados do IMAS em dezenas de procedimentos médicos fraudulentos, voltado para beneficiar a clínica conveniada e que era vinculada ao então Diretor de Saúde do próprio instituto, nomeado pelo atual presidente e que atuava autorizando os procedimentos fraudulentos.
Além disso, apura-se a existência de outras fraudes no instituto, notadamente, o vultoso aumento de faturamento e benefícios para pagamento de hospitais e prestadores de serviço do IMAS. A operação conta com apoio do Centro de Inteligência do MPGO e da Polícia Militar
Gaeco/ MP deflagra operação contra fraudes no IMAS e Prende o Presidente Sebastião Peixoto

Comentários