Juliette não esperava repercussão mas se divertiu com o pedido de tradução do Pokemón da Nintendo

Juliette colocou um ponto final no mistério e divulgou em Live no Instagram nesta quinta-feira (3) as datas e as cidades que devem receber os primeiros cinco shows de sua turnê, 'Caminhos' . As cidades escolhidas são do Nordeste e Sudeste do país, e já acontecem ainda neste de março. O local escolhido para o primeiro show, aquele que marca a estréia dela nos palcos acontece na cidade em que reside, o Rio de Janeiro, no dia 26 deste mês. João Pessoa, capital do estado natal de Juliette, Paraíba, também faz parte da rota da turnê no início de abril. Vitória, no Espírito Santo, e Recife, também terão shows da cantora. Muito se perguntou nas redes sociais após a divulgação sobre Campina Grande, apesar de Juliette não ter falado sobre isso, acreditamos que a Pitica deve estar reservando a cidade e o Parque do Povo para realizar o sonho de cantar no maior São João do mundo em Junho. Nas redes sociais, a paraibana celebrou o novo desafio, e convidou os fãs a conhecerem este “novo cami

Reinaldo

A Sirene Está Tocando | Brasil de Fato

Além da lama em MG, rejeitos afogam Brasília: Relações do clã Bolsonaro com as milícias precisam ser esclarecidas. Flávio e Jair Bolsonaro compareceram ao aniversário de gêmeos milicianos na zona oeste do Rio
Flávio e Jair Bolsonaro compareceram ao aniversário de gêmeos milicianos na zona oeste do Rio  - Créditos: Reprodução


O Brasil começa fevereiro sob o peso de três tragédias. Uma relembrada, mas ainda sangrando, outras duas em andamento com toda a sua dor e agonia. A tragédia/crime de Brumadinho reavivou na memória de todos a catástrofe de Mariana, quatro anos atrás, também em Minas Gerais e envolvendo a mesma empresa. 

Controlada pela privatizada Vale, a Samarco deixou um rastro de destruição ambiental e humana quando se rompeu a barragem de rejeitos da mina do Fundão em 2015. Foi, então, o maior episódio do gênero no mundo, despejando 62 milhões de metros cúbicos de dejetos industriais. Dezenove pessoas morreram e rios, córregos, povoados, animais e matas foram assassinados.

Brumadinho, a segunda calamidade, ainda não permitiu que se contassem todos os seus mortos. Há mais de 250 desaparecidos, corpos que as famílias, tudo indica, nunca virão a receber para velar e sepultar. Aqueles que salvaram a vida dizem que a sirene, avisando do desastre, não tocou. 

São dois traumas que a Vale nunca sofrera antes de ser vendida por um cacho de bananas em 1997 sob o governo FHC. A expressão não é gratuita. Foi leiloada por R$ 3,4 bilhões. Nove anos após, o mercado avaliou a empresa em R$ 84,4 bilhões, valor 25 vezes superior ao obtido com a venda. 









A terceira barragem de rejeitos que sufoca a consciência do país partiu-se no Rio e afoga Brasília. São as relações subterrâneas do clã Bolsonaro com as milícias – organizações que disputam o crime com o narcotráfico – que precisam ser investigadas e esclarecidas. Há patrimônios, intimidades e depósitos bancários inexplicáveis. E fartura de explicações que nada explicam. Aqui, a sirene está tocando faz muito tempo. Precisamos ouvi-la. 
A Sirene Está Tocando | Brasil de Fato

Comentários

Questão