Fãs confundem Bruna Marquezine com Juliette nas redes sociais

Numa semana em que Juliette esteve na companhia de Neymar Júnior em Mangaratiba, os fãs de Brumar mostram que ainda não superaram a separação, eles enxergam a Bruna em tudo relacionado ao camisa 10 da Seleção Brasileira e astro do Paris Saint Germain. A atriz  Bruna Marquezine compartilhou com seus seguidores um vídeo de bastidores de uma gravação de uma campanha ressaltando sua beleza.  Porém, o look e a maquiagem usada pela atriz acabou fazendo os fãs a confundirem com Juliette Freire - campeã do "BBB 21". Em postagem no Instagram, destacando ser um TBT, a artista veste um sobretudo preto e está com os cabelos amarrados em rabo alto. O registro de Marquezine fez seus seguidores se confundirem por ser um look parecido com o usado por Juliette na live de Wesley Safadão.   Bruna Marquezine posa para campanha e fãs confundem com Juliette

Reinaldo

Le Monde diz o que os jornais brasileiros têm vergonha de escrever: "extrema direita chega ao poder"

O texto abaixo, publicado originalmente no TIJOLAÇO, é de Fernando Brito, um dos melhores intérpretes na imprensa brasileira destes dias tenebrosos:
Lição básica do jornalismo é chamar as coisas pelo nome que as coisas têm. Residência é casa ou apartamento; hospital não é nosocômio, morrer não é “passamento” nem falecer. 
O Le Monde deste domingo, que já está nas bancas francesas , pratica um jornalismo que os jornais brasileiros não têm coragem de praticar. “A extrema-direita chega ao poder”, manchete de “fora a fora”, ou de oito colunas, no tempo que os jornais as tinham como medida. 
Não porque brasileiros considerem a expressão “ultrapassada”, antijornalística: a usariam se fosse Marine Le Pen quem estivesse assumindo a presidência da França. Mas o vento que venta cá não pode ter o nome do que ameaçou ventar por lá. 
O jornalismo, se é que conserva este nome, passou a ser por aqui a arte do não dizer, do esticar, puxar, endurecer ou amaciar, conforme o freguês. Sim, é isso, em uma linha: a extrema direita chega ao poder no Brasil. 
Talvez ainda de forma provisória, com limitações formais – e cada vez menos – do estado de direito, com um personagem tosco, caricato ante ao mundo. Mas quem deixa de ver que outro, mais sofisticado, está se articulando, vindo de Curitiba?
A luta pelo poder não está no horizonte da esquerda, mas entre as personagens desta tragédia nacional. Entre outras razões, porque o jornalismo brasileiro, faz tempo, deixou de tratar as coisas pelo nome que as coisas têm.

Comentários

Questão