O ator e humorista Batoré morre em São Paulo

O ator e humorista Ivanildo Gomes Nogueira, de 61 anos, conhecido como Batoré, morreu nesta segunda-feira (10), em São Paulo. Ele estava com câncer. Batoré morreu na Unidade de Pronto Atendimento (UPA) de Pirituba, Zona Norte da capital. "As informações médicas foram repassadas à família e a Secretaria Municipal de Saúde lamenta o ocorrido", diz nota da Prefeitura. Ivanildo nasceu em Serra Talhada, em Pernambuco, e se mudou para São Paulo ainda criança. Antes de se tornar ator, jogou futebol nas categorias de base em times paulistas. Com seu principal personagem, Batoré, Ivanildo integrou o elenco do programa " A Praça é Nossa ", do SBT. Em 2016, foi contratado pela Rede Globo para a novela "Velho Chico" em que fez o papel do delegado Queiroz. Batoré também foi vereador de Mauá, na Grande São Paulo, por dois mandatos pelo PP. Fonte: Batoré, ator e humorista, morre em SP | São Paulo | G1

Reinaldo

Decisão de Bolsonaro beneficia corruptos? Envolvidos na operação Registro Espúrio comemoram o fim do Ministério do Trabalho

Resultado de imagem para Fim do MTE e a operação Registro Espúrio

     Michel Temer pode ser Embaixador do Brasil na Itália? Pode. Logo ele que tem respostas a dar nos processos em que é investigado e deveriam ser julgados assim que ele deixar o governo.
     Não são apenas as empresas listadas na conhecida lista suja, aquelas que utilizam de trabalho análogo a escravidão, que estão comemorando a decisão do Presidente eleito de por fim na história de 88 anos do Ministério do Trabalho, o PTB de Roberto Jefferson, Cristiane Brasil, Jovair Arantes e outros 23 envolvidos na Operação Registro Espúrio também devem estar festejando de forma efusiva a extinção da pasta que tem atribuições que vão além de cuidar da emissão de carteiras profissionais. O fim do MTE além de criar dificuldades na apuração das irregularidades cometidas pelos integrantes do partido na pasta, também colabora para esfriar o interesse da mídia sobre essas ilicitudes ocorridas dentro de um ministério que sequer vai existir à partir da posse de Jair Messias Bolsonaro em Janeiro de 2019. 
     As decisões do eleito e sua equipe de transição estão sim agradando a alguém, e pelo visto os atores que deveriam ser os combatidos pelo Governo estão entre os principais, talvez únicos, beneficiados por elas.

Comentários

Questão