Comparsas do miliciano Adriano da Nóbrega recorreram a Jair Bolsonaro, diz The Intercept

Ligações perigosas apontam para relações estreitas entre comparsas do miliciano Adriano da Nóbrega e o Presidente da República, a matéria intitulada o "O cara da casa de vidro" traz dados que levantam suspeitas sobre Jair Bolsonaro.   O Intercept já havia reportado sobre as escutas em fevereiro, quando mostramos como Adriano dizia que “se fodia” por ser amigo do presidente da República, e em março, quando detalhamos a briga pelo espólio deixado pelo ex-caveira. As referências a “Jair” e “cara da casa de vidro” constam em novos documentos recebidos pela reportagem, que, em conjunto com as escutas anteriores, permitem entender a amplitude das relações do miliciano e da rede que lhe deu apoio no período em que passou foragido. Adriano da Nóbrega fugia da justiça desde janeiro de 2019, quando o Ministério Público do Rio pediu a sua prisão, acusando-o de chefiar a milícia Escritório do Crime, especializada em assassinatos por encomenda. Ex-integrante da elite do batalhão de elite

Reinaldo

Eto'o na cadeia? MP da Espanha quer prisão do Camaronês por fraude fiscal

De acordo com o diário, se a acusação da Fiscalia espanhola vingar, o jogador ainda terá que pagar uma multa de 14 milhões de euros (cerca de R$ 50,8 milhões) por quatro diferentes delitos fiscais. 

A investigação apontou que o atacante fez a transferência de seus direitos esportivos a duas empresas: uma espanhola e uma húngara. No total, o jogador fraudou 3,46 milhões de euros (cerca de R$ 12,55 milhões) entre os anos de 2006 a 2009, segundo contas da acusação. A promotoria ainda acredita que Eto'o deveria ter sido tributado à alíquota máxima de imposto de renda (fixada em 45%).

Eto'o joga atualmente no Antalyaspor, da Turquia, mas jogou por cinco temporadas pelo Barcelona e se tornou um dos melhores jogadores do mundo nesta época. 

Comentários

Questão