Comparsas do miliciano Adriano da Nóbrega recorreram a Jair Bolsonaro, diz The Intercept

Ligações perigosas apontam para relações estreitas entre comparsas do miliciano Adriano da Nóbrega e o Presidente da República, a matéria intitulada o "O cara da casa de vidro" traz dados que levantam suspeitas sobre Jair Bolsonaro.   O Intercept já havia reportado sobre as escutas em fevereiro, quando mostramos como Adriano dizia que “se fodia” por ser amigo do presidente da República, e em março, quando detalhamos a briga pelo espólio deixado pelo ex-caveira. As referências a “Jair” e “cara da casa de vidro” constam em novos documentos recebidos pela reportagem, que, em conjunto com as escutas anteriores, permitem entender a amplitude das relações do miliciano e da rede que lhe deu apoio no período em que passou foragido. Adriano da Nóbrega fugia da justiça desde janeiro de 2019, quando o Ministério Público do Rio pediu a sua prisão, acusando-o de chefiar a milícia Escritório do Crime, especializada em assassinatos por encomenda. Ex-integrante da elite do batalhão de elite

Reinaldo

Sob vaias e aplausos, Temer declara Jogos Rio 2016 abertos no Maracanã – Assuntos de Goiás – Questão Brasil

Sob vaias e aplausos, o presidente interino Michel Temer declarou abertos os Jogos Olimpícos da Rio 2016. 

O presidente interino fez a declaração da tribuna de onde assistiu a cerimônia de abertura no Maracanã, após os discursos dos presidentes do Comitê Olímpico Brasileiro (COB), Carlos Nuzman, e do Comitê Olímpico Internacional (COI), Thomas Bach. 

"Após esse maravilhoso espetáculo, declaro abertos os Jogos Olímpicos do Rio", disse Michel Temer. 
Temer.fw

Conforme protocolo divulgado pela organização à imprensa na tarde de hoje (5), o nome de Temer deveria ter sido anunciado junto com o de Thomas Bach no início da cerimônia. 

Porém, isso não ocorreu. 

Depois do desfile das delegações de atletas, os presidentes do COI e do COB fizeram breves discursos e não mencionaram o nome do presidente interino ao cumprimentar as autoridades. 

 Procurado pela reportagem sobre o fato de o presidente interino não ter sido apresentado no início da cerimônia, como estava previsto no protocolo, o Palácio do Planalto informou que não iria se manifestar sobre o assunto. 

 Temer acompanhou a cerimônia ao lado de Thomas Bach e do secretário-geral das Nações Unidas, Ban ki-moon. 

O presidente interino aplaudiu de pé a entrada da delegação brasileira, a última a desfilar. 

Comentários

Questão