O ator e humorista Batoré morre em São Paulo

O ator e humorista Ivanildo Gomes Nogueira, de 61 anos, conhecido como Batoré, morreu nesta segunda-feira (10), em São Paulo. Ele estava com câncer. Batoré morreu na Unidade de Pronto Atendimento (UPA) de Pirituba, Zona Norte da capital. "As informações médicas foram repassadas à família e a Secretaria Municipal de Saúde lamenta o ocorrido", diz nota da Prefeitura. Ivanildo nasceu em Serra Talhada, em Pernambuco, e se mudou para São Paulo ainda criança. Antes de se tornar ator, jogou futebol nas categorias de base em times paulistas. Com seu principal personagem, Batoré, Ivanildo integrou o elenco do programa " A Praça é Nossa ", do SBT. Em 2016, foi contratado pela Rede Globo para a novela "Velho Chico" em que fez o papel do delegado Queiroz. Batoré também foi vereador de Mauá, na Grande São Paulo, por dois mandatos pelo PP. Fonte: Batoré, ator e humorista, morre em SP | São Paulo | G1

Reinaldo

PF apura ligação de Delúbio com fraude no ES @Dribles_ @Reinaldo_Cruz @Assuntosdegoias @qb_7 @Cnn_br

Investigações da Polícia Federal e do Ministério Público do Espírito Santo encontraram indícios de que o esquema de corrupção deflagrado na cidade de Presidente Kennedy no mês passado seria a ponta de um esquema que se espalha por outros municípios do Espírito Santo, Goiás, Bahia, Minas Gerais e São Paulo. Em dado momento, apareceu nas investigações o nome do ex-tesoureiro do PT, Delúbio Soares, um dos réus do processo do mensalão. Delúbio teria discutido formas de vender a outras cidades lousas digitais, um dos focos de fraude apontados. As informações são do jornal Folha de S. Paulo.
Segundo as investigações, os atos criminosos eram liderados pelo prefeito de Presidente Kennedy, Reginaldo Quinta (PTB). Os vereadores afastados seriam responsáveis por evitar que os contratos fossem fiscalizados. A Controladoria Geral da União (CGU) calcula que R$ 55 milhões foram desviados. Uma das fornecedoras investigadas no fornecimento das lousas é a Matrix Sistemas e Tecnologia, que tem como endereço um terreno baldio. Em Janeiro, o sócio da Matrix, Jurandy Nogueira Júnior, pediu ajuda ao deputado estadual Misael de Oliveira (PDT-GO), que prometeu apresentá-los a prefeitos. O deputado, segundo as investigações, intermediou um encontro entre o empresário e Delúbio Soares. Procurado pelo jornal, Delúbio Soares não se manifestou sobre o caso.

Comentários

Questão